©Free-Photos por Pixabay

SLOW

TOURISM

NOVO CONCEITO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

O Slow Tourism está associado à afirmação de um novo conceito

O Slow Tourism está associado à afirmação de um novo conceito de desenvolvimento sustentável capaz de responder às necessidades do presente sem comprometer as necessidades das gerações futuras.

 

O Slow Tourism pode ser definido como a oportunidade do visitante se tornar parte integrante do destino, contactando com a população e com o território, num ritmo adequado à apreensão da cultura local.

Contactar com a população e com o território, num ritmo adequado à apreensão da cultura local

©arqueixal.es

Para ir mais além do que o “must see”

Este movimento silencioso contraria o estilo de turismo que se afirmou no século passado, ou seja, os charters turísticos, os all-inclusive, as excursões programadas e planeadas, os horários, etc.

O Slow Tourism valoriza a estada prolongada, com tempo suficiente para ir mais além do que o “must see”. Contactar com espaços locais, de pequena dimensão, com os produtores, com os mercados, com as populações, visitar aquela pequena igreja ou restaurante que não constam dos guias, ou seja explorar, descobrir, usufruir, são os seus princípios.

Explorar, descobrir, usufruir, são os seus princípios

©arqueixal.es

É uma “forma de estar” que surge como um contra-ciclo ao que é estipulado pelos grandes operadores turísticos

Tornar-se parte do local que se visita, apreciar as esplanadas, conversar com quem ali vive, procurar entender as pessoas, os modos de viver, os espaços. Escolher os locais com que mais nos identificamos e passar lá horas. Conhecer a pé, de bicicleta, de comboio. Participar nas atividades locais, contribuir para o seu desenvolvimento.

http://en.focuseco.ro

A atual conjuntura económica e o debate sobre as alterações climáticas vêm reforçar o potencial de crescimento deste mercado, sugerindo aos destinos a aposta de produtos que os valorizem. Uma vez que se assume como um movimento alternativo aos padrões

turísticos atuais, o “Slow Tourism” não é uma moda, mas sim um estilo de vida baseado nos novos padrões comportamentais assumidos por uma sociedade responsável.

"From the superficial vision of the world which is characteristic for the consumer's society, we have to go to a deeper vision, to understand better ourselves and the surrounding environment, the beauties of the nature and of the local cultures. This experience can be offered by the slow tourism. The real values can't be observed on high speed, and this is true even more for the nature and for the local culture, the real experience needs time. To understand the natural and cultural values of a region you need time and patience but you will be rewarded, you will have unforgettable experiences."

Dr. Zoltan Hajdu

Está  ser desenvolvido um projecto com o apoio da Focus Eco Center da Roménia para a criação do primeiro destino de Slow Tourism em Portugal numa região a anunciar brevemente.

 

© 2020  Made by APTS

O Slow Tourism está associado
à afirmação de um novo conceito

O Slow Tourism está associado à afirmação de um novo conceito de desenvolvimento sustentável capaz de responder às necessidades do presente sem comprometer as necessidades das gerações futuras.

O Slow Tourism pode ser definido como a oportunidade do visitante se tornar parte integrante do destino, contactando com a população e com o território, num ritmo adequado à apreensão da cultura local.

Para ir mais além do que o “must see”

Este movimento silencioso contraria o estilo de turismo que se afirmou no século passado, ou seja, os charters turísticos, os all-inclusive, as excursões programadas e planeadas, os horários, etc.

O Slow Tourism valoriza a estada prolongada, com tempo suficiente para ir mais além do que

o “must see”. Contactar com espaços locais, de pequena dimensão, com os produtores, com os mercados, com as populações, visitar aquela pequena igreja ou restaurante que não constam dos guias, ou seja explorar, descobrir, usufruir, são os seus princípios.